Psicanálise

Síndrome do panico: não è frescura
Admiração: a paixão do olhar
Não quero ser feliz, quero ter uma vida interessante.
Freud e a Primeira Guerra Mundial
Como era fazer análise com Lacan
Depressao 1
A traiçao e seus horrores
Para que casar?
A criança sob a òtica da psicanàlise
Adolescencia, que bicho è esse?
Dos nomes que despertam o amor
Tres dicas da ciencia para esquecer um amor!
Brasileiro com alemao
Como Jesus cuidava das pessoas
Lacan
O pai da melancolia.
Hermeneutica e Psicanálise
A etica no contexto do absurdo
Uma Sociedade Anestesiada
Educar frustrando?
O valor da pérola e o preço da graça
Resista à tentação de pertencer a um grupo
Bullying II– cuidado com o rótulo!
A ameaça da alegria
É Proibido
Despedidas virtuais
Felicidade e alegria
Felicidade nas telas
Freud e a Teoria Social
Teologia do cotidiano: ofício, menino do semáforo.
Em busca da unidade perdida
Você prefere os obedientes ou os rebeldes?
Os custos sociais da pornografia
Sobre o gosto da leitura na escola
Explicando política às crianças II
Explicando política às crianças
Metade
O casamento
Papai noel existe?
A depressão financeira e suas raízes emocionais
Consumo, logo existo.
Sobre a morte e o morrer
Perguntas e Respostas sobre a clínica psicanalítica no mundo globalizado
Setenta anos da morte de Freud
Jacques Lacan e a psicanálise do século XXI
Mudanças
O mal do século
Psicanálise e desejos
A dor de Amar
Ciúmes: devemos cultivar ou evitar
Filhos inesperados
Sedução compulsiva – Dom Juanismo
Com pulsão e distúrbios alimentares
Stress
A Desregulação da Psicanálise
Mistérios da alma
Chapeuzinho Vermelho
A internet sobe o olhar da psicanálise
Adultos infantilizados
O poder da internet
Quer casar comigo? Sim!
O luxo e o trabalho do artesão
Anorexia e Desejo
O outro lado da fama
Pesquisitices
Elas estão traindo mais
Busca pela perfeição gera frustração; saiba por quê
A Liturgia da morte
Batman, as trevas e a moda
O valor da vida.Uma entrevista rara de Freud.
Felicidade: não é bem que se mereça
Conversando com os demônios
A armadilha da corrupção
Respeito pelo outro começa por si mesmo
Timidez
Crianças podem ficar sozinhas em casa?
Relações interpessoais: Por que é difícil manter laços saudáveis?
Entender crianças que falam “errado” É CERTO?
Depressão
Construção cultural de doença mental e justificativas para a exclusão do doente mental
O segredo da vida de um casal
O que é a Psicanálise e com o que trabalhamos
Saúde Mental
Sonhar é preciso
A Função da Família na Educação
Como se olham pais e filhos
A cidade no divã
A menina que sofria do “mal de mãe”
Por que os bichos sempre têm uma boa auto-estima e nós humanos...
A Vida se Reconstrói.
A contribuição de Freud para o esclarecimento do fenômeno político
Psicanálise dos Pais
Crianças, perdoai!
O segredo da vida de um casal
Amor e psicanálise
Dependência de drogas: que dependência é esta?
Raciocínios "motivados"
Sexualidade Hoje
Sexo no fio da navalha
É ‘preciso’ excluir o amor?

.

Sedução compulsiva – Dom Juanismo

Ana D'Araújo

 

 

Uma das maiores queixas das mulheres em nossos dias, é de que lutam com todo o empenho para conquistarem determinado homem que amam de paixão, no entanto não conseguem de seus amados o compromisso, e nem que “assumam” as relações. Muitas são conquistadas, e quando se entregam...são mais do que rapidamente abandonadas e ficam a "ver navios".

Para alguns homens, a busca inquieta pela conquista, toma o lugar da estabilidade na relação. O grande objeto do desejo é a conquista e não o conquistado.
Para aquele que seduz, a concretização da conquista traz a monotonia, e desta forma, as relações são rápidas e sem nenhum vínculo afetivo.
Segundo Jung, os efeitos do complexo materno, a princípio positivo, podem gerar distúrbios psíquicos, como o homossexualismo, a impotência sexual e o don juanismo. No homossexualismo, por exemplo, a heterossexualidade do filho fica presa à mãe de forma inconsciente. Já no don juanismo, a imagem da mãe é a imagem da mulher perfeita, que não possui defeito e que está sempre de prontidão para atender os desejos do homem. Esta figura materna, fortemente registrada na psique do homem interfere cada vez  que o portador se apaixona por uma mulher e sente-se atraído sexualmente por ela...e  assim que realiza a conquista.
A conquista é o “lugar” aonde acontece a comparação e toda a paixão desaparece repentinamente deixando a relação sem graça e desinteressante.  Aí chega a “decepção”, e ele interrompe a relação. Não consegue firmar laços duradouros porque busca a perfeição em todas as mulheres, acabando por encontrar defeitos em todas. Na verdade, este tipo de homem está sempre procurando a imagem da mãe nas outras mulheres. (as vezes a relação com a mãe foi boa demais, gerando a dificuldade da quebra de vínculo no inconsciente).

No entanto, outros fatores são observados no comportamento daqueles que apresentam a síndrome de Don Juan ou Don Juanismo, que não necessariamente afetam somente homens, mas também mulheres (Don Juanismo feminino ou também a ninfomania).

Um dos outros fatores vastamente observados, é o complexo de rejeição que traz consigo a característica do medo de amar.

Muitos homens interessantes, inteligentes, algumas vezes já estabilizados profissionalmente na vida, não conseguem de forma alguma amar uma mulher e se dedicarem a ela, pois temem o abandono. E desta forma, o comportamento fica sempre no plano da conquista, pois temem o envolvimento afetivo verdadeiro, e o sofrimento que porventura advenha desta relação de compromisso.
A conquista passa a ser o objetivo e quando concretizada, eles sabem que necessitarão firmar laços afetivos e convivência duradoura...o que os assusta e os afasta. E assim partem para nova conquista que se afigure como novidade.

Podemos observar no Don Juanismo apresentado como comportamento advindo do complexo de rejeição, que o portador lidou muitas vezes a vida inteira com o abandono paterno, ou materno...e foi construindo ao longo do tempo a idéia de que não é capaz de ser amado. Por esta razão não ama, pelo medo da decepção.

Um outro fator também observado no comportamento do portador da síndrome, é o caso de abuso sexual na infância, apesar de algumas correntes na psicologia ou na psiquiatria não concordarem que haja ligação.

Existem ainda, aqueles casos de amor não finalizado, em que o homem saiu da relação e procura em todas as outras relações desesperadamente, a imagem de sua amada, que o abandonou ou deixou de amá-lo. Isto o estimula a manter a imagem do conquistador, para a preservação de seu ego, porém como existe a comparação latente e sutil, nenhuma mulher consegue de fato preencher a lacuna deixada na sua lembrança.

 Ao contrário do que se pensa, o portador do Don Juanismo sofre, pois se vê incapaz de criar vínculos relacionais, pois a causa ou o motivo pelo qual ele tem este tipo de comportamento, não lhe são claras e a única sensação é a lacuna ou grande vazio experimentado na alma, por não conseguir viver a fundo nenhuma relação.

A forma de superar este problema, é principalmente tomar consciência do que originou esta síndrome....Isto poderá acontecer através da terapia, aonde se busca a fundo reforçar a consciência sobre si mesmo e sobre os comportamentos inexplicáveis, além de  entender que muito melhor que a conquista é viver a relação de amor com cumplicidade, que faz de um outro ser o complemento de seu próprio ser no caminho da existência.

“O amor é o sentimento curativo para a alma de todos os homens”.

 

 


RSS E-mail Print Comentar