Esta semana fomos ao teatro. A apresentação se deu com uma equipe da professora de teatro da Julia.

Na platèia, e fiz questao de sentar na ultima fileira, podiamos ver inumeras cabeças brancas, reflexo natural da idade avançada e tambèm de pessoas que tanto jà contribuiram para o pais (teclado italiano nao tem muitos acentos) e que hoje choram ao ver a real situaçao da Italia: terremotos constantes, crise economica, evasao dos jovens para outros paises, etc…

A contribuiçao de todos para o bom exercicio do espetaculo me chamou atençao. Na entrada, duas Sras (para nao falar velhinhas) se incumbiam de dar os bilhetes, fazerem a recepçao. Mais adiante, no corredor principal, dois Srs (ou velhinhos) eram responsàveis pela filmagem e fotografias e a todos que passavam por ali, com um sorriso em rosto diziam ” lavoro in corso”!

Embora a peça nao fosse direcionada para os “anziani”, a presença deles ainda è maior! A alegria estampada em seus rostos, as risadas na hora do espetàculo me levaram a seguinte reflexao:

Quem nao se diverte por saber que tem que acordar cedo no outro dia, està perdendo tempo e cultura (dependendo do programa). As situaçoes de conflito, desespero e problemas, nao podem ofuscar o brilho da manha, o prazer das tardes e o brilho da lua. O tempo se resume no agora, e tudo è passado. O que faço agora, jà foi, tempo passado. O amanha começa agora e a paralisaçao de nossos atos por medo do incerto e do que virà, nos fazem frouxo. Nao sou eu quem digo, sào as escrituras: “…se te mostrares frouxo no dia de tua angustia, sua força lhe serà pequena…”

Aquele que por achar que a morte esta proxima e pode pega-lo a qualquer momento, e assim renuncia seus desejos mais ousados e sonhos mais inexplicàveis, jà està morto. Pois atè aonde sei, a unica certeza que temos nessa vida è que um dia morreremos e outros, serao arrebatados… Assim, a idade avançada, as cabeças brancas e o precipitamento do sofrimento antes de sua chegada, fazem com que seu sorriso e alegria batam em retirada! Por isso Jesus dizia para nao nos preocuparmos com o que vestir e com o que comer, pois Ele cuida de nòs. Isso nao implica em esperar comida do cèu, aparecimentos de coca – cola na geladeira e dinheiro na conta bancària sem esforço algum… Ele nos alerta para a importancia do hoje, com prudencia sobre o amanha; e nao prudencia num futuro que nao saberà se virà, deixando de viver o hoje, pois assim, nos resta apenas o anestesiamento da alma, a irrealidade de uma suposta realizaçao de desejo…

Descanso para o povo da antiguidade, era compartilhar o pao, dividir o que se ganhava e se preocupar com o que o outro sente. Se reuniam para conversar, falar do dia dia sem julgar, sem tacar pedra e apontar defeitos. Se reuniam porque amavam uns aos outros e eis um dos segredos porque os milagres aconteciam: porque o amor exalava! Numa atmosfera de amor, milagres acontecem! Ou nao? Uma criança que nao tem uma boa nota na escola, com carinho, paciencia e amor, pode melhorar. Aquele que errou por tentar acertar, quando tratado com amor e nao puniçao somente, tera coragem para tentar novamente. Os idosos carentes que vao ao mèdico sem aparente doença, quando sào tratados com amor, se recuperam mais ràpido e as vezes voltam, somente para receber amor e nao medicamentos…

Assim, pude notar que embora a maioria que estava no teatro fosse anciào – embora nunca havia visto tanto velho ativo na minha vida , pois dançam nas praças, vao ao cinema, andam de bicicleta – o desejo de continuarem vivos ainda è maior e a alma parece rejuvenescer a cada fio de cabelo branco que aparece! Nao lutam contra a velhice, mas contra monotomia. Nao sorriem porque desprezam os acontecimentos de dor, mas porque o sorriso traz esperança para os que nao tem e que ainda sofrem. Nao dançam em festas porque nao se importam com o paìs, è por se importarem com o paìs que dançam, mostrando que a felicidade intrinseca hà de transformar situçoes, històrias e ritimos de vida…

Saì alegre, podendo notar que a lua là fora me aguardava. Ou melhor, aguardava àqueles que para ela eram capazes de olhar. Sim, è verdade que sua luz nao è pròpria, mas nao importa. Sempre haverà alguèm que resplandecerà sua luz em nòs e se nòs reproduzirmos luz em outros, o caminho se tornarà menos escuro, menos pesante, mais prazeroso.

O teatro, nao serà apenas um lugar de expectativa, mas de participaçao. A familia, nao servirà apenas para reuniao de domingos, mas para a convivencia constante e reproduçao de unidade e carinho. O trabalho, nao servirà somente para o recebimento do salàrio, mas para um convivio social sadio e trocas de experiencias que contribuirào para o crescimento. O amor, nao somente um jargao, mas um ato em si. Uma pratica que nos farà sorrir na infancia, aprender na adolescencia, andar com ele na fase adulta e re-inventa-lo a cada dia com o tempo, que nos produzirà marcas…

Nele, que è o inicio, meio e fim!